15/12/2009

Os 40 melhores discos dos anos 2000 – parte 2

*Ou, os meus 40 discos favoritos dos anos 2000.
Os 10 primeiros

10º Queens of the Stone Age – Songs for the Deaf (2002): Um disco sombrio, apocalíptico. A sintonia entre Josh Homme e Nick Olivieri funcionaram ainda melhor com a participação de Dave Ghrol na guitarra e Mark Lanegan nos vocais. The Sky is Fallin’, First it giveth e No One Knows.
9º Oasis – Dig Out Your Soul (2008): O ultimo disco do Oasis se garante nas ótimas composições de Noel Gallagher (suas melhores desde 1995) e na produção impecável. O começo do disco é avassalador e o final (dominado por composições dos outros membros) faz o nível cair um pouco. De qualquer maneira, foi um encerramento digno. Bag it Up, Waiting for the Rapture e Falling Down.
8º The White Stripes – Elephant (2003): O momento em que os Stripes soaram mais bluezeiros, mais toscos. O gás diminui na metade final, mas é um disco feito para se escutar quando você tem 16 anos. Seven Nation Army, Black Math e I Just Don’t Know What to do With Myself.
7º The Delgados – Hate (2002): Um disco de grandes melódias e grandes orquestrações. É o disco em que as músicas na voz de Alun Woodward funcionaram melhor. As cantadas por Emma Pollock são geniais, como sempre. The Light Before We Land, Coming in from the cold e If this is a Plan.
6º Black Rebel Motorcycle Club – Howl (2005): Quando escutei Howl pela primeira vez tomei um susto. O coral no começo era diferente de qualquer coisa que eu já havia escutado da banda. E aos poucos um horizonte sensacional se abriu. O disco impressiona pela quebra de estilo e pela naturalidade com que eles passaram pelo folk/country/gospel/blues. Howl, Devil’s Waitin’, Promise.
5º Ben Kweller – Sha Sha (2002): As últimas seis faixas são provavelmente a melhor coisa produzida na música na década. Músicas consistentes e que convencem, tanto acústicas quanto elétricas. Walk On Me, Make It Up e Falling.
4º Snow Patrol – Final Straw (2003): O momento em que o Snow Patrol se encontrou. Deixou o barulho inicial de lado e se concentrou nesse disco que reúne 12 músicas emocionantes e emocionais. Gary Lighbody canta com os sentimentos transbordando e o álbum todo transpira emoção. How To Be Dead, Run e Same.
3º Black Rebel Motorcycle Club – BRMC (2001): É sempre difícil escolher entre o debute e Howl. No momento aponto uma vantagem para este, pela grande seqüência de músicas escuras, líricas, barulhentas e melódicas. Love Burns, Awake e Too Real.
2º Jet – Get Born (2003): Provavelmente seria melhor se este tivesse sido o único disco do Jet. A dúvida sobre o futuro da banda seria melhor do que a decepção com o resultado pífio dos discos seguintes. Tudo o que o Jet fez de melhor está aqui. Rocks com riffs pegajosos e baladas excepcionais. Are You Gonna Be My Girl, Come Around Again e Sgt. Major.
1º Wilco – Yankee Hotel Foxtrot (2002): O grande disco da década foi inicialmente recusado pela sua gravadora (tal qual o melhor disco brasileiro, dos Los Hermanos). YHF foi considerado muito difícil e a banda foi despejada. O disco foi disponibilizado na internet e caiu nas graças do público. O resultado, é que Yankee é a afirmação artística e comercial do Wilco. Antes eles eram uma banda média. Entre barulhos e chiados, as melodias brotam e os detalhes fazem a diferença. As cordas, os metais, os solos de guitarra. I Am Trying to break your heart, Jesus Etc, Ashes of American Flags, I’m the man Who loves you e Pot Kettle Black.

Nenhum comentário: