16/12/2010

Florianópolis

Floripa, para os íntimos, é um lugar exótico. Dentro da extensa ilha, parecem conviver várias cidades.

O Norte da Ilha é similar a várias cidades praianas. Comércio de artigos de praia, restaurantes a quilo. No meio disso, o Jurerê, uma ilha de exibicionismo com suas mansões californianas.

O leste é uma área de Surfistas. A Joaquina parece uma praia rural isolada. Do lado de longas dunas, dignas de um cenário nordestino. A Lagoa parece um bairro boêmio, com seu cenário agradável e diversos bares e cafés.

O sul parece o interior. O Pântano Sul é uma comunidade de pescadores. O mar meio sujo, as gaivotas de olho nos restos de peixe, os barcos estacionados, as redes.

A Ilha ainda tem pântanos no seu meio. Lagoas com mata-virgem. Praias isoladas, que necessitam trilhas de horas para serem alcançadas.

Há a Baia Norte, com sua mistura de construções antigas com casas de madeira e seus restaurantes infinitos. O Ribeirão da Ilha, que parece uma cidade histórica mineira.

E no meio o centro. Que parece uma metrópole dessas, o Rio de Janeiro, a Beira-Mar norte tem um pouco de São Paulo - incluindo o trânsito caótico. Fora o continente, que é tratado como se fosse um outro país.

Tudo isso, com seus pontos de ônibus espalhados no meio do nada.

Nenhum comentário: